Nesta terça-feira (10), dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, em que o país e o mundo alertam para a causa, batizando o mês de ‘Setembro Amarelo’, a Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT), deu início na segunda-feira (9), à campanha interna para os servidores.

Com a presença do superintendente do órgão, Ricardo Teófilo, do superintendente adjunto, Carlos Alberto Peixoto, e de servidores do administrativo e agentes de segurança viária (ASV), a campanha foi aberta com a inauguração de um painel com informações sobre o ‘Setembro Amarelo’ para a prevenção ao suicídio.

SMTT alerta sobre a campanha Setembro Amarelo, de prevenção do suicídio, com servidores do órgão

Além do painel alertando sobre a prevenção do suicídio, a campanha realizada em equipe pelo Departamento Psicossocial com a participação da psicopedagoga e coordenadora do Planejamento Estratégico Betty Jane, a psicóloga Marcela Braz e as servidoras Angélica Tertuliano, Jucielly Sena e Bianca Barbosa.

Em seu discurso, o superintendente Ricardo Teófilo abordou a importância de os servidores se tratarem em família, como irmãos, uma vez que passam parte do tempo de suas vidas no trabalho e podem ajudar uns aos outros em situações de comportamento estranho com alguns deles.

Ricardo Teófilo alertou a causa do suicídio e pediu que todos se engajem à campanha

“Vamos cada vez mais trabalhar em conjunto e dentro do ambiente de trabalho ajudar uns aos outros em qualquer tipo de situação e falar sobre a prevenção de suicídio e outros males como a depressão que tem afetado a população em geral”, destacou Ricardo Teófilo.

Em seguida, todos assistiram a um vídeo sobre o tema, que está distribuído nas redes sociais com atores falando sobre a valorização da vida.

A apresentação do vídeo sobre o alerta ao suicídio deixou os servidores da SMTT conscientes desse mal como saúde pública

Dinâmica da valorização

Ao final do lançamento da campanha na SMTT, a psicóloga Marcela Braz fez uma dinâmica de valorização à pessoa, em que cada servidor falou de algumas características positivas da pessoa que estava ao seu lado esquerdo até concluir o ciclo das pessoas presentes à abertura do evento.

A psicóloga Marcela Braz pediu o comprometimento de todos pela prevenção do suicídio

A campanha do ‘Setembro Amarelo’ vai até o dia 30 deste mês e até lá atividades e dinâmicas serão realizadas nos departamentos da SMTT, envolvendo os servidores do órgão.

No Brasil

Setembro Amarelo é uma campanha brasileira de prevenção ao suicídio, iniciada em 2015. É uma iniciativa do Centro de Valorização da Vida (CVV), do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP).

O mês de setembro foi escolhido para a campanha porque, desde 2003, o dia 10 de setembro é o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio. A ideia é promover eventos que abram espaço para debates sobre suicídio e divulgar o tema alertando a população sobre a importância de sua discussão.

Dados

No Brasil, o suicídio é considerado um problema de saúde pública e sua ocorrência tem aumentado muito entre jovens. De acordo com números oficiais, 32 brasileiros se matam por dia em média, sendo essa uma taxa maior do que a de vítimas de AIDS e da maioria dos tipos de câncer.

De acordo com um relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) de 2014, o Brasil está em oitavo dentre os países com maior número de suicídios, atrás de Índia, China, Estados Unidos, Rússia, Japão, Coreia do Sul e Paquistão.

Origem da campanha

Em 1994, um jovem americano de apenas 17 anos, chamado Mike Emme, tirou a própria vida dirigindo seu carro amarelo.

Seus amigos e familiares distribuíram no funeral cartões com fitas amarelas e mensagens de apoio para pessoas que estivessem enfrentando o mesmo desespero de Mike, e a mensagem foi se espelhando mundo afora.

No mundo, o suicídio é a terceira causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos e a sétima causa de morte de crianças entre 10 e 14 anos de idade.

A OMS também afirma que o suicídio tem prevenção em 90% dos casos. Entretanto, um estudo brasileiro de Bertolote et al (2002) afirma que 96,8% dos casos de suicídio estão relacionados a transtornos mentais, diagnosticados ou não, tratados incorretamente ou não tratados de maneira alguma.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *